Essa juventude!

Desde criança tenho ouvido os mais velhos exporem sua preocupação com os jovens, classificando-os de imaturos, irresponsáveis e desordeiros. Quando me tornei jovem, adolescente (aborrecente!), passei também a carregar a fama herdada de jovem imprevisível.

Assim como o tempo passa, eu também passei de fase e, curiosamente, tudo passou, menos a fama de que jovem é irresponsável e essas outras afirmações... 

Um belo dia me deparei com essa frase escrita em letras garrafais:  “Essa juventude está estragada até o fundo do coração. Os jovens são malfeitores e preguiçosos. Eles jamais serão como a juventude de antigamente. A juventude de hoje não será capaz de manter a nossa cultura”. Então me dei conta que as pessoas de mais idade costumam afirmar que “no seu tempo eles, os jovens, eram diferentes”.

Até agora, não há nenhuma novidade nessa afirmação, o que me chamou a atenção foi a época em que alguém escreveu a referida frase. A mensagem está escrita em um vaso de argila descoberto nas ruínas da Babilônia (atual Bagdá), tem mais de 4000 anos de existência! Ou seja, desde sempre o mundo reclama do jeito despojado e irreverente dos mais jovens. 

O problema é que, por natureza, o jovem é confrontador mesmo! É uma questão de perspectiva, de ponto de vista. A depender do observador, um objeto pode significar uma coisa ou outra totalmente diferente, mas no fundo, a coisa observada é a mesma. Uma pessoa é bonita para uns, feia para outros; aquele cara que conheci na festa pode ser um chato insuportável para uns e um grande amigo para outros; podemos ser amados por uns ou odiados por outros; um animal morto na estrada pode ser carniça para nós, mas um belo banquete para os abutres... 

Tudo é relativo, não é mesmo? Então, os mais velhos podem estar relativamente certos quanto aos jovens, afinal muitos deles são absolutamente chatos, irresponsáveis, malvados, encrenqueiros, briguentos, inúteis. Por outro lado, muitos adultos também o são.  Conheço muitos velhos que são infantis, muita gente morre velha e tão imatura! 

Precisamos, portanto, fazer uma análise mais profunda da situação. Sócrates foi condenado à morte mediante acusação de corromper os jovens, fazendo-os pensar e, assim, libertarem-se da mesmice dos governantes do seu tempo. Mas o que prevaleceu? A filosofia de Sócrates ou a ideia dos seus algozes? 

Jesus também foi condenado à morte por pessoas que se julgavam mais sábias e poderosas. Mas foram as atitudes de Jesus que mudaram o mundo, atitudes tomadas em cerca de trinta anos de idade, ou seja, em sua juventude.

Assim tem sido em todos os tempos, século após século, assim seja, amém! Os garotos barulhentos e rebeldes de Liverpool revolucionaram a música, os meninos nerds e geeks dos anos 60 e 70 do século passado trouxeram o mundo digital e a internet, o ativistas ecológicos chamados de “ecochatos” vêm salvando animais e o resto da natureza que os velhos capitalistas dilapidam... Ufa! 

A cada dia que passa eu fico um pouquinho mais velho, mas graças a Deus tenho aprendido a ver o mundo com olhos diferentes, ou melhor, com os olhos dos jovens. Tenho visto muitos pais educarem os filhos, mas tenho visto muito mais filhos educando seus pais. 

Não é a idade que me assusta, não é a velhice, mas a velha opinião, a velha mentalidade calcada num passado que nem foi vivido direito. Prezo muito mais o que virá do que aquilo que já passou, pois o futuro ainda irá ser feito, enquanto que o passado não pode ser recuperado, apenas servido de exemplo, para melhorar ou para não ser repetido. Pense nisso!